quinta-feira, 27 de abril de 2017

Martyrologium: o calendário de santos de Wilhelm Löhe

O Martyrologium era um calendário santoral luterano organizado em 1868 por Johann Konrad Wilhelm Löhe (1808-1872), pastor em Neuendettelsau (Alemanha). Em 1859, Löhe já havia impresso um calendário de santos chamado Haus-, Schul- und Kirchenbuch para Christen des lutherischen Bekenntnisses, mas que tinha algumas inconsistências, sendo em muitos aspectos diferente do Martyrologium, que se propôs a ser uma versão corrigida. O calendário anterior continha pelo menos dois nomes por dia e as festas maiores eram apresentadas com seus nomes latinos, ao invés do alemão.

















Fonte: LOEHE, Wilhelm. Martyrologium. Zur Erklärung der herkömmlichen Kalendernamen. (Nürnberg: Verlag von Gottfr. Löhe, 1868. p. 13-24)

A ordenação é sacramental se entendida como o ministério da Palavra

A ordenação é sacramental se entendida como o ministério da Palavra e administração dos sacramentos
Ordenação de pastores na Igreja Luterana da Tanzânia (2015)

“Sacerdotes são chamados não para realizar quaisquer sacrifícios pelo povo, como na lei, a fim de através deles merecerem remissão de pecados para o povo, senão que são chamados para ensinar o evangelho e administrar os sacramentos ao povo. Não temos outro sacerdócio, semelhante ao levítico, conforme ensina suficientemente a Carta aos Hebreus. Se, porém, se entender a ordem como dizendo respeito ao ministério da Palavra, não relutemos em chamar de sacramento a ordem. Pois o ministério da Palavra tem mandamento divino e magníficas promessas. Romanos 1: “O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.” Da mesma forma em Isaías 55: “A palavra que saiu da minha boca não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz, etc.”. Se se entender a ordem dessa maneira, não nos recusaremos a chamar de sacramento a imposição de mãos. Pois a igreja tem a ordem de constituir ministros, o que nos deve ser gratíssimo, porque sabemos que Deus aprova esse ministério e nele está presente [de modo que Deus prega e opera através de homens e daqueles que foram escolhidos por homens]. E convém ornar o ministério da Palavra o quanto possível com todo gênero de louvor contra os fanáticos que sonham ser o Espírito Santo dado não pela Palavra, mas em vista de certas preparações deles, quando se assentam, ociosos e silenciosos, em lugares escuros, esperando iluminação.”

Apologia da Confissão de Augsburgo, Artigo XIII: Do número e uso dos sacramentos, 9-13

A bendita primazia da verdade evangélica


“A Confissão de Augsburgo deixa perfeitamente claro o que é primário e o que é secundário: “Porque para a verdadeira unidade da igreja cristã é suficiente que o evangelho seja pregado unanimemente de acordo com a reta compreensão dele e os sacramentos sejam administrados em conformidade com a palavra de Deus. E para a verdadeira unidade da igreja cristã não é necessário que em toda a parte se observem cerimônias uniformes instituídas pelos homens.” (CA VII, 2,3, texto alemão)
A bendita primazia da verdade evangélica, da doutrina dada por Deus, doctrina divina, é enfatizada pela Igreja da Confissão de Augsburgo como como nenhuma outra. Ritual e constituição são fundamentais para Roma e para a Ortodoxia Oriental - e talvez a ética para o Calvinismo - de uma forma que essas coisas jamais podem ser fundamentais para a Igreja Luterana, cuja forma distintiva moderna foi concebida em Teses, nasceu de uma Confissão e desmamou em uma Fórmula!”

- Rev. Dr. Kurt Erik Marquart (1934-2006), em “Liturgy and Dogmatics” (Concordia Theological Quarterly​ 67:2 (abr. 2003), p. 188)

terça-feira, 25 de abril de 2017

Festa de São Marcos, Evangelista – 25 de abril

"São Marcos, evangelista" (1655-1660), Carlo Maratta (1625–1713)
São Marcos é o autor do segundo Evangelho. Também conhecido como João Marcos, era natural de Jerusalém, onde a casa de sua mãe foi centro da igreja primitiva (Atos 12.12). Paulo e Barnabé levaram Marcos a Antioquia (Atos 12.25) e os acompanhou na primeira viagem missionária. Marcos os deixou durante a viagem (Atos 13.13) e mais tarde foi a causa da separação ocorrida entre Paulo e Barnabé quando este queria levar Marcos na segunda viagem missionária (Atos 15.37-40). Mais tarde, Paulo e Marcos se reconciliaram e Marcos auxiliou Paulo (Colossenses 4.10; Filemon 24; 2 Timóteo 4.11). Marcos também trabalhou mais tarde com Pedro (1 Pedro 5.13). A tradição sugere que Marcos ajudou a fundar a igreja no Egito (Alexandria) e sofreu o martírio ali.

Cor litúrgica: Vermelha

LEITURAS:
 
† Isaías 52.7-10
† Salmo 146 (antífona. v. 5)
† 2 Timóteo 4.4-18
† Marcos 16.14-20

ORAÇÃO DO DIA:
 
Todo-poderoso Deus, tu enriqueceste tua Igreja com a proclamação do Evangelho através do evangelista Marcos. Concede que possamos crer firmemente nestas boas novas e diariamente andar de acordo com a tua Palavra; através de Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Johann Walter: o primeiro Kantor da Igreja Luterana


Johann Walter (1496-1570) ocupa um posição singular na história musical da Reforma. Como primeiro Kantor Luterano, amigo e conselheiro de Martinho Lutero e como compositor de uma grande variedade de música litúrgica para a igreja da Reforma e suas escolas latinas, Walter ocupa um lugar central no início do desenvolvimento da música da Igreja Luterana, um desenvolvimento que culminaria de forma extraordinária na música de Johann Sebastian Bach uns duzentos anos depois.

Embora Walter não seja contado entre compositores de primeira ordem na história, contudo era um mestre da técnica polifônica em seu tempo. Ele foi o primeiro a usar a tradução de Lutero da Bíblia na língua vernácula em sua música. Sua abordagem era completamente litúrgica e ele compôs música eclesiástica na qual o coral era o centro da grande maioria de suas obras… Seu trabalho estava claramente relacionado com a teologia da igreja e seu entendimento - que ele recebeu de Lutero - de que o papel da música na igreja era proclamar a Palavra, do que propriamente interpretá-la.

Na obra de Walter podem ser vistas as primeiras ideias das duas direções em que a música da igreja luterana seguirá nas próximas décadas. Estas duas direções foram o desenvolvimento do estilo moteto polifônico e, simultaneamente, o desenvolvimento do estilo homofônico canônico simplificado. Ao colocar a música da igreja luterana nesses dois caminhos, ambos intimamente ligados ao canto coral, Walter apontou uma direção que continuaria a orientar o trabalho dos compositores luteranos que o seguiriam.

Fonte: SCHALK, Carl F. Johann Walter: First Cantor of the Lutheran Church (St. Louis: Concordia Publishing House, 1992) p. 3,13.

Comemoração de Johann Walter, Kantor e Compositor - 24 de abril


Johann Walter (1496-1570) começou sua carreira como compositor e cantor baixo na capela da corte de Frederico, o Sábio, com 21 anos de idade. Em 1524, publicou uma coleção de hinos arranjados de acordo com o Ano da Igreja. Além de servir por 30 anos como Kantor (músico responsável pelo canto litúrgico na igreja) nas cidades de Torgau e Dresden, também auxiliou Martinho Lutero na preparação da Missa Alemã (Deutsche Messe) de 1526. Walter é lembrado como o primeiro Kantor e compositor luterano de música da igreja.

ORAÇÃO DO DIA:

Ó Senhor Deus, através da vida, morte e ressurreição de teu Filho Jesus Cristo e pelo poder do Espírito Santo, a revelação de teu mistério da salvação é agora revelado e dado a conhecer a todas as nações. Concede que este mistério da salvação, assim como confessado por Johann Walter e todos aqueles que agora descansam de seus labores, continue a guiar a tua Igreja na terra, enquanto aguardamos pelo dia em que virás do céu uma última vez e antecipará a nova criação; através Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Oração de uma pessoa que deseja ir ao confessor buscar a Santa Absolvição


Senhor Jesus Cristo, meu Redentor! Tu deste o Santo Ofício das Chaves à tua amada igreja aqui na terra e aos teus servos fiéis junto com a promessa de que, no poder deste ofício, o que eles desligarem ou ligarem também será desligado ou ligado no céu. Por causa deste tão gracioso meio e instrumento de teu Espírito, proclamo teu eterno louvor, glória e exaltação. Peço-te do fundo do meu coração, pois eu necessito, como pecador pobre e amarrado, desta confortante chave libertadora, e para que eu não seja preso nos grilhões do carcereiro do inferno, vem a mim através do meu confessor cristão, e liberta-me graciosamente e absolve-me de todos os meus pecados, por causa do teu sangue e morte. Dá-me o teu Santo Espírito com a Santa Absolvição, para que que eu possa viver em verdadeiro arrependimento, confiança inabalável, boas intenções, amor fraternal e gratidão, e finalmente alcançar a bem-aventurança eterna no céu. Amém.

– Sigismund Scherertz (1584-1639), superintendente eclesiástico em Lüneburg (Alemanha). Esta oração foi publicada em seu livro “Seelen-Artzney und Spiegel der geistlichen Anfechtungen”.

Fonte: Evangelisch-Lutherischer Gebets-Schatz (St. Louis, 1865. pág. 218)